top of page

EM CARTAZ

EM CARTAZ
COORDENADAS VARIÁVEIS carrossel-01
COORDENADAS VARIÁVEIS carrossel-02
AL 393
AL 102
AL_1250 t V
AL_1250 l
AL_1250 i
AL_1250 m
AL_1250 r
AL_1250 h
AL_1250 g
AL_1250 d
AL_1250 e
AL_1097
AL_1250 a F
AL_1074
AL_1093
AL_1039_07
AL_1060
AL_1038_13
AL_1032_11
AL_1032_03
AL_1031_11
AL_1031_08
AL_1031_07
AL_1030_06
AL_975
AL_1030_03
AL_1018
AL_956
AL_948
AL_848
AL_958
AL_949
AL_916
AL_847
AL_843
AL_831
AL_824
AL_600
AL_549
AL_304 II
AL_475
AL_304 III
AL_304 I
AL_273 I+II+III
AL_248
AL_238
AL_237
AL_233
AL_184
AL_228
AL_174
AL_136
AL_168
AL_106
AL_036
AL_095
AL 1086
AL 1251 - Zago
AL 1486
AL_025
AL_020
AL 393
AL 741
AL 391
AL 775
AL 247 - Cylene Dallegrave
AL 360
AL 245 - Cylene Dallegrave
AL 246 - Cylene Dallegrave
AL 116 - Cylene Dallegrave
AL 239
AL 199 - Cylene Dallegrave
AL 132 - Cylene Dallegrave
AL 113
AL 066
AL 103
AL 023

COORDENADAS VARIÁVEIS

Comemorativa ao aniversário de Porto Alegre a exposição reúne obras que compõem uma das coleções municipais de arte, a Pinacoteca Aldo Locatelli, sediada no Paço dos Açorianos. O tema desta mostra versa sobre as origens e a diversidade deste acervo, de características múltiplas, por ser uma coleção em aberto, o que significa que se amplia em número de obras com os anos, por meio de aquisições; por isso, a denominação “Coordenadas variáveis”.
A abordagem proposta pelo curador José Francisco Alves apresenta obras de vieses cartográficos, trabalhos em sentido iconográfico que ilustram situações e lugares específicos os quais são retratados, ou seja, paisagens (pinturas, desenhos, gravuras, fotografias, etc.), assim como obras que mostram locais imaginários, com o uso de índices cartográficos, a exemplo de mapas, traçados e condições congêneres.
Integram a mostra paisagens de lugares distantes na Europa, em países vizinhos como o Uruguai, e em outros estados, como o Rio de Janeiro. A maioria retrata lugares reconhecíveis ou mesmo imprecisos do Rio Grande do Sul, em especial os cenários
paradigmáticos de Porto Alegre, como a Ponte de Pedra e o Lago Guaíba. A mesma diversidade diz respeito a artistas, por suas várias origens, de fora do Rio Grande do Sul, inclusive, dos quais podemos citar Torquato Bassi, Dakir Parreiras, Rossi Osir e João Turin. Entre os gaúchos, Leopoldo Gotuzzo, Pedro Weingärtner e Elton Manganelli.
Como paisagens imprecisas, imaginárias ou fantásticas, constam obras de Renato Heuser, Paulo Chimendes, Tadeusz Lapinski e Norberto Stori. Há também trabalhos com situações de locais que remetem a situações conhecidas, identificáveis, de vida, trabalho ou lendas, como nas obras de Glênio Bianchetti, Xico Stockinger, Paulo Peres e Danúbio Gonçalves.
A exposição A Pinacoteca Aldo Locatelli – Coordenadas variáveis ocorre, interligada e em paralelo, à mostra A Pinacoteca Ruben Berta – O ponto fixo, na Pinacoteca Ruben Berta (Rua Duque de Caxias, 973) aberta no dia 22 de março de 2023. São exposições que abordam os perfis distintos das duas coleções municipais, a partir de obras com escolhas de temas similares.

 

período da exposição: de 18 de março a 14 de julho de 2023

FB_IMG_1683557535113
DSC_0856
DSC_0951
DSC_0918
DSC_0904
DSC_0899
DSC_0897
DSC_0885
DSC_0884
DSC_0866
DSC_0872
DSC_0862
DSC_0864
DSC_0852
DSC_0853
DSC_0861
DSC_0851

...Sob forma de oração

reúne Vera Wildner (1936-2017), Karin W. Paiva e André Santos

 

Vera Wildner, personagem tão importante quanto querida da cena artística de Porto Alegre, dedicou sua vida às artes visuais e ao budismo. Sua profundidade atravessou as vidas de artistas e alunos durante as décadas em que se dedicou ao ofício de professora no Atelier Livre. Além dos alunos, encantou familiares e amigos que agora reúnem-se para celebrar, em forma de oração, essa luminosa passagem sobre a Terra. A mostra Sob forma de oração reúne, no Porão do Paço Municipal, o trabalho da artista já falecida aos trabalhos de sua filha, Karin W. Paiva, e de seu sobrinho, André Santos.
Os três artistas, além de fortes e complexos laços familiares e afetivos, trazem em comum uma intenção consciente de lidar com os mistérios da vida humana. “A recorrente utilização de símbolos, mitos e a configuração de ritos são estratégias na realização de desejos, semelhantes
àquelas que estiveram implícitas nos inúmeros procedimentos mágicos de culturas milenares. Seu título aponta para esses procedimentos considerados como oração, ou seja, mensagens visuais proferidas em forma de aspiração a algo mais que o cotidiano humano”, afirma a curadora Maria Amélia Bulhões.
Vera Wildner, ao longo de sua trajetória, articulou seu trabalho criativo com a prática budista, refinando suas obras na vivência do vazio e na plenitude da luz. Sua última exposição, O fim é o começo, conduzia o visitante por uma deriva sensorial que o capturava e jogava em abismos; uma experiência que só quem esteve lá consegue compreender. Como uma mestra, colocava-nos frente aos desafios da vida e da criação, uma emoção que se encontra aqui presente com algumas daquelas obras” complementa.
Ela está acompanhada por Karin W. Paiva, que faz sua jornada pessoal e artística seguindo as trilhas das mensagens xamânicas, recuperando signos e ensinamentos dessa tradição. As quatro portas, o vento, os animais e as cores intensas nos trazem a chave de leitura de suas Cartas, mensagens que a artista entrega usando seu corpo como veículo das energias da natureza, que explodem como visões ao mesmo tempo viscerais e espirituais.
Completa a tríade de artistas André Santos, que, sem recorrer a nenhuma tradição religiosa ou filosófica, estabelece uma espécie de ritual, configurado em desdobramentos do espaço, criando um trajeto para refletir sobre a existência, tendo a morte como pano de fundo. Utilizando
fotografias autorais de imagens cemiteriais que ele mesmo realiza, instaura um percurso “Entre o céu e a terra” que finaliza em dois grandes painéis.

 

Sobre os artistas e curadoria:

 

Karin W. Paiva é artista visual, natural de Porto Alegre. Filha de Vera Wildner, homenageia a mãe com a obra Série CARTAS, na mostra “...Sob forma de oração”, onde imprime toda sua emoção e amor celebrando a existência dessa potente artista. Participou de salões, com destaque o 17º Salão Associação Chico Lisboa, onde recebeu menção honrosa em 1994. Participou de individuais na Galeria Arte Fato, 1989; Galeria da Caixa Econômica Estadual 1990; Museu de Arte do Rio Grande do Sul, na sala Pedro Weingartner, em 1994. Participou da trajetória do Atelier Estágio Armazém de Arte, criado pela mãe Vera Wildner, entre 1984 e 2017. Desde 1982 ministra cursos de arte para crianças.

​ André Santos é professor de arte com formação em artes visuais. Vem buscando através de seu trabalho autoral uma narrativa que tem como fio condutor o tempo. Tem participado de diversas exposições coletivas, entre elas uma mostra em Miami. Também esteve em duas
importantes mostras na Fundação Iberê Camargo: “4 visões” e “Artistas Gaúchos”. As mostras “A Opulência do Tempo”, na Gravura Galeria e “O Tempo na Pele”, no Theatro São Pedro, respectivamente em 2021 e 2022, já trazem a temática do tempo. A última, “O Tempo na Pele”, integrou um circuito paralelo à Bienal do Mercosul,
Natural de Porto Alegre, a artista plástica Vera Wildner (1936-2017) foi professora do Atelier Livre da Prefeitura de Porto Alegre por mais de duas décadas, além de fundadora do Atelier Galeria Estaggio desde 1983, onde orientou artistas em técnicas de pintura. As pinceladas de Vera Wildner expressaram suas memórias e as inquietudes humanas com vida e morte e a Paz Universal. Sua obra é um livro da vida, de sua vida, da vida de todos nós. “O Fim é o Começo”, “Delcia -Vestido de Noiva” e “Silêncio”, ambas no Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS), “Nascer / Renascer”, na Galeria Xico Stockinger da Casa de Cultura Mario Quintana e “Manuscritos”, na Casa do Brasil, em Madri, em 1998, são mostras que marcaram sua carreira.
Crítica, professora e orientadora de Artes Visuais, UFRGS, Doutora pela USP (1990), pós- doutorado nas Universidades de Paris I, Sorbonne e Politécnica de Valencia, Maria Amélia Bulhões foi presidente da Associação Nacional de Pesquisa em Artes Plásticas e da Associação Brasileira de Críticos de Arte. Suas pesquisas têm ênfase na arte contemporânea e os últimos livros foram “Desafios: arte e internet no Brasil” (2022), “Catálogo de obras do MACRS” (2021), “Arte Contemporânea no Brasil” (2019). Destacam-se suas curadorias: “Arte Contemporânea RS”, MACRS, 2021, “Schwanke: sonetos visuais”, MESC, 2021, “Pro Posições”, MARGS, 2017 e “Web arte Bienal de Curitiba”, 2013.

 

abertura dia 12 de abril de 2023
visitação até 26 de maio de 2023
de segunda a sextas, das 9h às 12h e das 13h30 às 17h
Porão do Paço Municipal – Praça Montevidéu, 10 - Centro Histórico
entrada franca

Fotos: Ana Laggazio

 EXPOSIÇÕES ANTERIORES 

o despertar das formas >

de iberê a maqui >

notas de subsolo >

xxv Salão de Desenho para Imprensa >

VISITAÇÃO E CONTATO

Obrigado! Mensagem enviada.

  • Blogger - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
VISITAÇÃO / CONTATO

Pinacoteca Aldo Locatelli

Paço dos Açorianos

Praça Montevidéu, 10

Centro Histórico - Porto Alegre

fone: [55] (51) 3289-3735 

Segunda à sexta-feira

9h às 12h • 13h30 às 17h

AÇÕES EDUCATIVAS

AÇÕES EDUCATIVAS

AGENDAMENTOS

Visitas guiadas às exposições da Pinacoteca Aldo Locatelli podem ser agendadas: 

acervo@portoalegre.rs.gov.br

[55] (51) 3289-3735

VISITA GUIADA

Visita de uma turma do Projovem Adolescente / FASC em 21 de março de 2018.

 

Veja o vídeo >

COLEÇÃO
HISTÓRIA

HISTÓRIA DA

COLEÇÃO

Conheça a história da Pinacoteca Aldo Locatelli.

HISTÓRIA DO PAÇO

Conheça a história do Paço

PUBLICAÇÕES
ASSOCIAÇÃO

A Associação das Pinacotecas de Porto Alegre – AAPIPA-  foi fundada em 2016 por um pequeno número de cidadãos  dispostos a uma tomada de ação efetiva em prol do desenvolvimento e difusão do circuito das artes na cidade de Porto Alegre. Seu engajamento se materializa no apoio as ações  e projetos das Pinacotecas Ruben Berta e Aldo Locatelli da Secretaria da Cultura da capital gaúcha e da Pinacoteca Fundacred em vias de passar á administração municipal por comodato. A AAPIPA estimula por meio do trabalho de seus associados o exercício do voluntariado, e na medida que propõe e co-executa projetos e eventos de interesse das pinacotecas e da população cultiva o desenvolvimento do empreendedorismo cultural.

 

COMO

PARTICIPAR

DIRETORIA

PRESIDENTE

Heitor Luis Beninca Bergamini

VICE-PRESIDENTE

Sandra Marisa Esteve Echeverria 

 

bottom of page