exposições anteriores 
                                               
Arte contemporânea na Pinacoteca Aldo Locatelli

No dia 26 de junho serão abertas na Pinacoteca Aldo Locatelli duas exposições contemplando diferentes facetas da arte contemporânea. As mostras seguem o princípio de expor o acervo e, ao mesmo tempo, oportunizar ao público a apreciação de artistas selecionados por projetos curatoriais inovadores.

A mostra Uma lâmpada no porão: a fotografia como meio de expansão tem curadoria do alemão Klaus W. Eisenlohr e do porto-alegrense Eduardo Vieira da Cunha.

Ambos assinam o texto de apresentação: “A imagem única e enquadrada, como tradicional meio para exibir a obra, tem sido questionada por artistas desde a década de 1920. A razão da escolha pela mídia, fotográfica ou pictórica, para a maioria das pessoas representa uma forma diferente de se comunicar com o espectador. Isto quer dizer que a questão transfere-se à relação entre o artista e os ‘outros’, isto é, o espectador, o receptor e a sociedade, refletindo, portanto, a realidade política do artista. Desde cedo, a fotografia vem desempenhando um papel de liderança no que se refere aos meios estendidos de produção artística. O termo ‘fotografia expandida’, entretanto, faz muito menos sentido do que o de ‘cinema expandido’. Para muitos artistas, a fotografia foi o meio que permitiu expandir seu pensamento em relação às artes plásticas clássicas. Além disso, através da mudança para o meio digital, a fotografia, que mais recentemente se tornou ‘fotografia de arte’, novamente foi desafiada, e hoje se encontra imersa em meios de experiência nas mídias sociais.

Procuramos obras em fotografia, ou trabalhamos com fotografias que desafiam o termo ‘fotografia de arte’. A presente exposição tem como lugar o porão do Paço dos Açorianos, com seu ambiente intimista e como a escuridão de uma adega, carregando a sombra de seu passado. As obras precisam trabalhar com a sua própria luz e conter luz própria (não há luz que ilumine o trabalho).

Primeira letra do alfabeto hebraico, O Aleph é um conto que dá nome a um livro de Jorge Luiz Borges dos anos 1940. O conceito da exposição associa-se à ficção de Borges, e ao fenômeno luminoso do transporte da imagem de um lugar a outro, que requer este ambiente de obscuridade, assim como as conseqüências imaginárias desta antiga experiência física da luz. No conto autobiográfico, Borges deita-se no escuro do porão, onde experimenta uma espécie de transe. Ele descreve o Aleph como uma pequena esfera de vidro onde os fragmentos de todo o espaço estariam presentes. Dele, seriam projetadas e unidas todas as imagens. Se todos os lugares estão no Aleph, ali, no porão, estariam todas as luzes. Da escuridão, surgiria a possibilidade da iluminação.”

Artistas participantes

CHICO MACHADO

FLAVYA MUTRAN

ÍO

LEO CAOBELLI

LIZANGELA TORRES

MANOELA FURTADO

NATALIA SCHUL

TUANE EGGERS

WALTER KARWATZKI

 

Concebida como prolongamento da mostra “Despertar das Formas”, cuja intenção era investigar o modernismo nas artes plásticas em Porto Alegre, e que está em cartaz desde março no Paço dos Açorianos, a exposição Anos 90: Rupturas/Continuidades traz quatro pinturas em grandes dimensões e um livro de artista, todas obras pertencentes à Pinacoteca Aldo Locatelli. Conforme o texto de apresentação: “No arco temporal que se estende dos inícios do século XX até a década de 1990 ocorrem significativas rupturas no campo das artes visuais. Técnicas e suportes tradicionais passam a conviver e em alguns casos são alterados após a incorporação da fotografia, do vídeo e da informática nas experiências realizadas. A proliferação das instalações, performances e também da crítica à mercantilização do objeto artístico, redirecionam o foco para novas relações entre artista e público. Porém, concomitante a estes desdobramentos extremos do modernismo, sobrevém, em vários países ocidentais a partir de meados dos anos 80 um retorno à pintura.

Tal fenômeno também pôde ser verificado em Porto Alegre, com muita força ao longo da década de 1990, apresentando nuances a serem apontadas. Em primeiro lugar, a predominância de quadros com grandes dimensões e por vezes, apresentando o retorno do políptico – obra com diferentes partes articuladas entre si. Em segundo lugar, o arrefecimento da disputa entre adeptos da figuração da realidade versus militantes do abstracionismo, cujas antagônicas posições marcaram o cenário das artes plásticas no Brasil, em especial a partir das primeiras edições da Bienal de São Paulo.

Em contraponto a tais mudanças, algumas continuidades são verificadas, tais como a retomada de uma iconografia de origem popular e o uso consciente de recursos da pintura naif por diversos artistas, mesmo os portadores de formação acadêmica. Mas, para além destas heranças modernistas, em diversos trabalhos surgem referências, seja por meio dos procedimentos da citação ou da releitura, aos temas anteriormente consagrados pela história da arte e a retomada de técnicas artísticas tradicionais.

Tais continuidades persistem na década de 1990, porém alteradas ou processadas durante o processo criativo de cada artista. Por exemplo, folhas de ouro – tradicionalmente utilizadas em objetos religiosos, elementos decorativos ou mobiliário – são aplicadas num livro configurado em suporte para intervenções de efeito pictórico. Assim, a expressão pessoal, outro cânone modernista, encontra terreno fértil no Brasil no período pós-regime militar, quando a democracia representativa é finalmente consolidada pela Constituição de 1988, garantidora formal da liberdade criativa. Por fim, cabe salientar neste momento a ocorrência de um novo fenômeno social, ainda a ser devidamente apurado: a irrupção de um público para a arte contemporânea, até então praticamente inexistente na Cidade.”

 

Artistas participantes

ALFREDO NICOLAIEWSKY

ELTON MANGANELLI

KARIN LAMBRECHT

TERESA POESTER

© 2018. Criado por didijuca.com para PINACOTECAS DE PORTO ALEGRE.