EM cartaz
foto 1
foto 2
foto 3
foto 4
foto 5
foto 6
foto 7
foto 8
foto 9
foto 10
foto 11
foto 12
foto 13
foto 14
foto 15
foto 16
foto 17
foto 18
foto 19
foto 20
foto 21
foto 22
foto 23
foto 24
foto 25
foto 26
foto 27
foto 28

 

ANIMALIS IMAGINIBVS

Fabulações e Conexões

 

Esta exposição resulta de um encontro de vozes entoadas em três dimensões: imagéticas, sonoras e textuais. O sopro polifônico parte da confluência entre o artista visual Mauro Espíndola e seu heterônimo, o pseudocientista Emanoel Leichter, de onde deriva o projeto ANIMALIS IMAGINIBVS, uma pesquisa permeada pela coleta e observação de animais encontrados sem vida no Moinho da Capivara, localidade rural a cerca de 65km ao norte de Porto Alegre. No campo simulado das ciências naturais são concebidos desenhos, gravuras experimentais, livros, objetos e vídeo, impulsionados por fabulações e reflexões sobre a transitoriedade, instaladas no primeiro piso da Pinacoteca Ruben Berta.

Em uma coexistência no Moinho da Capivara, o artista convidado Marcelo Armani desenvolveu a peça “Habitat”, experimentações em sintonia com a paisagem sonora do lugar, uma escuta transitando entre notas e ressonâncias transferidas para uma intervenção no porão da Pinacoteca. Estes traços polifônicos são tratados pelo poeta, artista e crítico de arte Adolfo Montejo Navas em uma curadoria transbordante, instaurando um coro de múltiplas essências que extravasam o campo da crítica e incorporam intertextualidades sensíveis em escritas sustenidas ao redor de fecundas dicções.

 

exposição

ANIMALIS IMAGINIBVS - Fabulações e Conexões

Emanoel Leichter | Mauro Espíndola

 

instalação

HABITAT - instalação sonora hexafônica: Marcelo Armani

 

curadoria e textos: Adolfo Montejo Navas

 

PINACOTECA RUBEN BERTA

Rua Duque de Caxias, 973 - Centro Histórico - Porto Alegre

 

visitação: até 27 jan 2023

 

O projeto ANIMALIS IMAGINIBVS - Fabulações e Conexões conta com financiamento do Pró-cultura RS, Fundo de Apoio à Cultura-FAC, Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

 

 

Desideratum / Desejante

 

Já Maimônides, o filósofo árabe de Córdoba do século XII, colocou a imaginação no patamar mais alto do conhecimento sobre o resto das atividades humanas. E é precisamente como fruto dessa natureza plástica, maleável, mas também plausivelmente rigorosa ou científica que a pesquisa de Mauro Espíndola respira uma especulação linguística que é ao mesmo tempo temporal e cultural, sobretudo quando o que se divisa no horizonte é um museu imaginário que joga com a ciência e a taxonomia, o desenho, a monotipia e a cultura mais híbrida da imagem, aquela que repousa iconograficamente, incluso campo afora da arte. E em consequência, estabelece uma dialética com a memória e o presente, a vida e a morte como ciclos sempiternos, aliás, como vasos comunicantes do trabalho do artista. Onde de novo também aparece a figura identitária da heteronímia no nome do Dr. Emanoel Leichter, assim como os jogos da realidade e da ficção construindo sua própria indivisível teia de aranha, uma armadilha semântica que pode assombrar aos mais incautos ou fiéis dos maiores dogmas positivistas de que tudo é categorizável, só circula pelos mesmos canais que dita o chamado ainda melancolicamente progresso, com sua ordem impositiva, linear, nunca cosmológica. De fato, nesta aventura plural do artista: de pesquisa, de construção, de apresentação de certo bestiário, se pode contemplar um inventado tratado visual que tem como correlato as expressões latinas, porém funcionando na base da aparência para subverter o que esta língua morta ainda pode significar quando a ironia visual e conceitual eleva seus significados. O inventário gráfico relata uma coleta de restos de animais: mariposas, borboletas, insetos, batráquios, répteis... cuja apresentação é oferecida como um antigo tratado de estúdio. No fundo, a criação de uma topologia artística que responde ao locus de um lugar quase não-lugar, porque sobre eles gravitam, por partida dupla, a sensação de estranheza e de pertença. De estar numa margem em que o tempo habita de forma diferente o espaço… obrigando a escutar tudo como semente, genealogia, parentesco, em suma, incorporação, melhor, encarnação. Assim, de novo, a arte se imiscui em territórios limítrofes, desenha, fotografa, filma situações em que o canto da vida animal se submerge no húmus da matéria, no magma que absorve tudo para que o giro das coisas, a ronda do mundo continue com suas metamorfoses. Daí que a glória, a impermanência, a ruína, a vidência, a aura, os segredos da observação, o trânsito, a imortalidade, o umbral, thanatos e o espírito estejam com suas legendas a pé de imagem propondo sua leitura enigmática, aparentando a forma e considerações de um novo desideratum que religa uma expografia que é uma fábula visual. ANIMALIS IMAGINIBVS tem esse recurso de ser uma oferenda que olha a roda da vida em seu segredo físico, matérico, uma nova investigação que pede asas próprias, seu desejo de pictura desvendada.

 

 

 

Adolfo Montejo Navas - agosto de 2019

 

VISITAÇÃO / CONTATO

Pinacoteca Ruben Berta

Rua Duque de Caxias 973

Centro Histórico - Porto Alegre 
fone: [55] 
(51) 3289-8292

Segunda à sexta-feira

das 10h às 12h

e 13h às 18h

(último acesso às 17h30)

Obrigado! Mensagem enviada.

  • Blogger - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

AÇÕES EDUCATIVAS

A VENTURA DO MODERNO

Visitas guiadas à exposição em cartaz na Pinacoteca podem ser agendadas.

CONTATO:

acervo@portoalegre.rs.gov.br

[55] (51) 3289-8292

 

COLEÇÃO

A Pinacoteca Ruben Berta guarda, conserva, restaura, divulga e promove o acervo doado em 1971 pelos Diários Associados ao Município de Porto Alegre, desenvolvendo também atividades de fomento à produção artística local, à pesquisa, ao ensino e à formação de público em artes visuais.

 
 

HISTÓRIA DA

COLEÇÃO

Conheça a história da Pinacoteca Ruben Berta.

HISTÓRIA DA

CASA

Uma biografia para a Casa da Duque.

 

PUBLICAÇÕES

Utilize o Adobe Reader para uma melhor experiência.

Sem%2520t%25C3%25ADtulo_edited_edited.jp
 

A Associação das Pinacotecas de Porto Alegre – AAPIPA-  foi fundada em 2016 por um pequeno número de cidadãos  dispostos a uma tomada de ação efetiva em prol do desenvolvimento e difusão do circuito das artes na cidade de Porto Alegre. Seu engajamento se materializa no apoio as ações  e projetos das Pinacotecas Ruben Berta e Aldo Locatelli da Secretaria da Cultura da capital gaúcha e da Pinacoteca Fundacred em vias de passar á administração municipal por comodato. A AAPIPA estimula por meio do trabalho de seus associados o exercício do voluntariado, e na medida que propõe e co-executa projetos e eventos de interesse das pinacotecas e da população cultiva o desenvolvimento do empreendedorismo cultural.

 

COMO

PARTICIPAR

DIRETORIA

PRESIDENTE

Heitor Luis Beninca Bergamini

VICE-PRESIDENTE

Sandra Marisa Esteve Echeverria