o que resta após

       A exposição O que Resta Após é resultado de um laboratório de criação curatorial desenvolvido pela primeira turma da Especialização em Práticas Curatoriais, curso criado em 2019 no Instituto de Artes da UFRGS, com o propósito de fomentar a produção, o pensamento crítico e a formação profissional na área de curadoria e projetos expositivos. Ao longo do segundo semestre deste ano, o grupo de vinte e cinco alunos elaborou uma proposta curatorial tendo o acervo da Pinacoteca Ruben Berta como possibilidade de reflexão sobre os discursos e narrativas constituídos pelas instituições artísticas e pelas diferentes modalidades de exposição. A partir de uma metodologia de trabalho em modo colaborativo com decisões tomadas em coletivo durante todas as etapas do projeto – desde os critérios estabelecidos para eleição das obras até a expografia e a montagem –, o acervo Ruben Berta foi colocado em diálogo com trabalhos de artistas contemporâneos e peças de outros dois acervos, a Pinacoteca Aldo Locatelli e o MACRS. 
       Diante da diversidade de trabalhos e de possibilidades de interpretações percebidas no conjunto de obras – semelhante à própria heterogeneidade que caracteriza o grupo de alunos –, o exercício derivado da disciplina de Laboratório Curatorial acerca deste acervo não poderia ser unívoco: O que Resta Após propõe três aproximações desse lote de obras – sobretudo pinturas – doado em 1971 ao município de Porto Alegre pela empresa jornalística Diários Associados. Três chaves de leitura que propõem ressaltar potencialidades, denunciar anacronismos e contradições e colocar esse acervo histórico em diálogo – e atrito – com a produção contemporânea formam os núcleos curatoriais. 
       Um dos núcleos da mostra sublinha o cotidiano e a vida ordinária tematizada em muitos dos trabalhos da Pinacoteca Ruben Berta. Deixando de lado personagens históricos ou feitos heroicos, o recorte nesse espaço expositivo celebra a poesia das insignificâncias – como ensinava o poeta Manoel de Barros –, a existência miúda e invisível daqueles que tocam o dia a dia nas metrópoles, nas cidades pequenas e no campo. O deslumbramento com o comezinho ganha atualidade graças às imagens de fotógrafos de referência do sul do país, colocadas lado a lado das telas do acervo.
       Se por um lado a coleção é celebrada, ela também é confrontada: composto majoritariamente por artistas homens de ascendência europeia, reforçando a representação patriarcal de trabalhos que representam um corpo não-branco, o conjunto da Pinacoteca é revisto em outro espaço por meio de uma abordagem decolonialista que aponta contradições, questiona certezas e desperta potencialidades. Novamente a arte contemporânea é convocada para o debate com o cânone por meio da exibição de trabalhos de jovens artistas que evidenciam o corpo negro feminino, a territorialidade, a intimidade e a marginalização social – dividindo a expografia com obras das pinacotecas Ruben Berta e Aldo Locatelli.
       Por fim, o revisionismo ganha tons de provocação e mesmo deboche no espaço que reúne diversos retratos acadêmicos e modernistas do acervo, “comentados” por “memes” criados por uma turma de alunos do ensino fundamental. Linguagem imagético-textual viralizada pelas novas tecnologias e corrente especialmente entre os jovens – mas não só entre eles –, o ícone irônico espana a poeira dessas pinturas que perpetuam a imagem e o ego de personalidades e anônimos, trazendo-os do passado para o mundo de agora, equiparando sem cerimônia o retrato solene à selfie descartável.
       Sob a orientação e a coordenação geral da professora Ana Albani de Carvalho, O que Resta Após não pretende em absoluto dar conta de todas as possibilidades da Pinacoteca Ruben Berta. Ao contrário: o que resta após essa interpelação por diferentes perspectivas em um laboratório de curadoria é a certeza de que são inesgotáveis as formas de construir narrativas com o acervo – sempre em parceria com o olhar do público.

 

de 30/11/2019 a 13/03/2020

1/2
 

Pinacoteca Ruben Berta

Rua Duque de Caxias 973

Centro Histórico - Porto Alegre 
fone: [55] 
(51) 3289-8292

Segunda à sexta-feira

das 10h às 12h

e 13h às 18h

(último acesso às 17h30)

  • Blogger - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle

AÇÕES EDUCATIVAS

A VENTURA DO MODERNO

Visitas guiadas à exposição em cartaz na Pinacoteca podem ser agendadas.

CONTATO:
educativo.pinacotecaspoa@gmail.com

[55] (51) 3289-8291

 

A Pinacoteca Ruben Berta guarda, conserva, restaura, divulga e promove o acervo doado em 1971 pelos Diários Associados ao Município de Porto Alegre, desenvolvendo também atividades de fomento à produção artística local, à pesquisa, ao ensino e à formação de público em artes visuais.

COLEÇÃO

 
 

HISTÓRIA DA

COLEÇÃO

Conheça a história da Pinacoteca Ruben Berta.

HISTÓRIA DA

CASA

Uma biografia para a Casa da Duque.

 

PUBLICAÇÕES

Utilize o Adobe Reader para uma melhor experiência.

 

A Associação das Pinacotecas de Porto Alegre – AAPIPA-  foi fundada em 2016 por um pequeno número de cidadãos  dispostos a uma tomada de ação efetiva em prol do desenvolvimento e difusão do circuito das artes na cidade de Porto Alegre. Seu engajamento se materializa no apoio as ações  e projetos das Pinacotecas Ruben Berta e Aldo Locatelli da Secretaria da Cultura da capital gaúcha e da Pinacoteca Fundacred em vias de passar á administração municipal por comodato. A AAPIPA estimula por meio do trabalho de seus associados o exercício do voluntariado, e na medida que propõe e co-executa projetos e eventos de interesse das pinacotecas e da população cultiva o desenvolvimento do empreendedorismo cultural.

 

COMO

PARTICIPAR

DIRETORIA

PRESIDENTE

Heitor Luis Beninca Bergamini

VICE-PRESIDENTE

Sandra Marisa Esteve Echeverria 

 

© 2018. Criado por didijuca.com para PINACOTECAS DE PORTO ALEGRE.