exposições anteriores

Secretaria Municipal da Cultura, Coordenação de Artes Plásticas e AAPIPA apresentam:

O moderno que eu faço
 narrativas da experiência

  Em fevereiro de 1922, realizou-se em São Paulo o que viria a ser considerado o pontapé inicial para Arte Moderna no país, trazendo consigo a proposta da criação de uma identidade brasileira e, acima de tudo, a representação e obtenção do diálogo entre público e obra.

Pensando nisso, e também desenvolvendo a temática da exposição “A Ventura do Moderno”, o time de mediação da Pinacoteca Ruben Berta partiu das vivências e desdobramentos adquiridos ao longo da mostra para trazer uma singular e interativa proposta de conceito para o moderno.

   “O moderno que eu faço - narrativas da experiência” vem a público com o objetivo de revelar aos visitantes as narrativas criadas entre instituição, obra e sociedade, questionando o papel do museu enquanto centro cultural e, ainda, humanizando-o.

 Os trabalhos presentes na exposição mesclam-se entre um pequeno recorte de obras modernistas do acervo e projetos desenvolvidos junto a escolas ao longo do primeiro semestre de 2018, originando uma conversa entre a Pinacoteca e a comunidade. Na intenção de dar continuidade a essa ideia, o visitante é convidado a interagir com o espaço e suas composições, sendo conduzido a uma jornada sensorial, assim criando e repensando o seu próprio conceito de arte moderna.

 

Agora questione-se.  Qual o moderno que você faz?

 

Curadoria: Lubianca M. Weber, Lucas Bairros, Luiza Ferraz e Vitória Morlin

 

de 21/08/2018 a 23/11/2018

Gravetos Armados
em processo na Pinacoteca

   Logo após terminar a montagem da obra “Gravetos Armados”, instalada desde maio na área externa da Pinacoteca Ruben Berta, o artista plástico Antônio Augusto Bueno vem desenvolvendo uma série de gravuras em metal a partir da imagem formada pelos gravetos selecionados no transbordo da Lomba do Pinheiro.

   As primeiras gravuras desta série serão mostradas juntamente com a escultura/instalação, além do filme documental que Bebeto Alves fez acompanhando Antônio Augusto desde a vivência na Lomba do Pinheiro até a montagem na Pinacoteca. Também acompanham a exposição, um ensaio fotográfico realizado por Carolina Silveira no Museu Trabalho registrando todas as etapas do processo de gravação e impressão das seis gravuras que iniciam essa série.

   “Gravetos Armados” é um projeto em aberto que Antônio Augusto desenvolve há cerca de dez anos, desde que se mudou para o Jabutipê – casa/atelier situada na Fernando Machado, antiga Rua do Arvoredo - e que vem sendo apresentado em múltiplas formas e em diferentes lugares de Porto Alegre, por cidades do interior do Rio Grande do Sul, em Florianópolis, Itajaí, Rio de Janeiro e Montevidéu.

 

 

Gravuras: Antônio Augusto Bueno

Impressão: Marcelo Lunardi  > Filme: Bebeto Alves > Fotos: Carolina Silveira

 

 

 

de 21/08/2018 a 23/11/2018

 
 
 
 
 
 
 

© 2018. Criado por didijuca.com para PINACOTECAS DE PORTO ALEGRE.