EM CARTAZ

 
60 ANOS NO FUTURO 1080 x 1080-03
60 ANOS NO FUTURO fundo degrade 3D-06
05NOV2021_AlexRocha_Exposicao_60anos_futuro_-17
05NOV2021_AlexRocha_Exposicao_60anos_futuro_-18
05NOV2021_AlexRocha_Exposicao_60anos_futuro_-16
05NOV2021_AlexRocha_Exposicao_60anos_futuro_-15
05NOV2021_AlexRocha_Exposicao_60anos_futuro_-13
05NOV2021_AlexRocha_Exposicao_60anos_futuro_-14
05NOV2021_AlexRocha_Exposicao_60anos_futuro_-06
05NOV2021_AlexRocha_Exposicao_60anos_futuro_-02
05NOV2021_AlexRocha_Exposicao_60anos_futuro_-10
05NOV2021_AlexRocha_Exposicao_60anos_futuro_-12
Jungbluth, convite
Convite Jungbluth final LOGO-05
1
2
4
3
18
DSC_0432
DSC_0430
DSC_0451
DSC_0474
DSC_0485
DSC_0428
foto F.Zago-StudioZ
card fapoa
DSC_0432
DSC_0442
DSC_0440
DSC_0447
DSC_0451
DSC_0478
DSC_0459
DSC_0470
DSC_0489

60 ANOS NO Futuro

Atelier Livre e o artista-professor

     O futuro é o tempo que não é, mas nunca deixou de ser, dizia o intelectual mexicano Octavio Paz. É esse adágio, uma espécie de espírito do tempo, que nos facilita entender o papel do Atelier Livre Xico Stockinger da Prefeitura de Porto Alegre para o fazer, o saber e o ser artista, quando fincou os pés-raízes no chão em 1961.
O Atelier teve dificuldades em ser sonho, sempre foi sólido, sempre a mão na pedra, no metal, no desenho, o avental empoeirado, o suor, a aspiração e muita, muita inspiração. É quase impossível hoje, quando lançamos o olhar a partir do presente, ver a arte produzida na cidade ao longo dos últimos 60 anos, sem encontrar a marca ou a influência do Atelier Livre.
Assim, pode-se dizer que os artistas-professores e os alunos-artistas, deram no dia a dia, na visão encoberta pelo cotidiano, passos para o futuro. O Atelier é um grande centro produtor e escola de arte. Ou melhor, o Atelier atua num tempo que não passa, está sendo, afinal o futuro está logo ali.
Contando exclusivamente com obras da Pinacoteca Aldo Locatelli, a exposição “60 Anos no Futuro” visa abarcar a importância do Atelier, tendo como recorte o trabalho desenvolvido por seus artistas-professores ao longo dos anos, desde seus fundadores até os mestres atuais. São técnicas variadas, bem como temáticas diferenciadas, mas mesmo sendo 60 anos tempo suficiente para que o país tenha passado por inúmeras mudanças, vê-se que as obras apresentadas não são “datadas”. Expressam toda a dimensão humana, nas angústias e esperanças, transcendendo o período em que foram produzidas.

 

 

A FONTE DE TODOS OS VENTOS

cem anos de Nelson Jungbluth

 

 

Um dos mais importantes artistas plásticos gaúchos do século XX – que completaria 100 anos em novembro de 2021 ganhou uma exposição comemorativa na Pinacoteca Aldo Locatelli. Contando com um acervo da família, a mostra A FONTE DE TODOS OS VENTOS permanecerá em cartaz até fevereiro de 2022.

Pluralidade é a ideia-força que reúne as obras que compõem esta exposição. Plural, intenso e com modulações diversas, da brisa ao sopro mais severo, Nelson Jungbluth situa sua criação a partir de um lugar em constante movimento, sem âncoras ou amarras, como se presume ser a fonte dos ventos: homens, mulheres, cavalos, floras imaginárias, lides campeiras e outros temas, vão e vêm, aparecem e reaparecem ao longo de sua jornada criativa, colorida e vibrante.

Foi um artista além-galerias, atuou também como publicitário e é de sua autoria a lendária “Rosa dos Ventos” – identidade visual da VARIG – que carregou sua maestria por todos os ventos do mundo.

Ocupação Cromática
Fernando Limberger

Ocupação Cromática é uma obra-exposição pensada e desenhada especialmente para o porão do Paço Municipal pelo artista Fernando Limberger (nascido em Santa Cruz do Sul/RS, 1962, radicado em São Paulo). Trata-se de um entrelaçamento de instalações desenvolvidas para este contexto em particular, em diálogo com sua arquitetura, com a paisagem urbana do entorno e com certos sentidos que o lugar evoca.
A que se destina um porão? Em uma casa, ao que não mais se usa, mas ainda assim se guarda. Em prédios públicos como este, ao menos originalmente, trata-se de um local muitas vezes desconhecido, às vezes mesmo escondido da maioria. Acessado de forma restrita apenas por alguns. Porão é ainda metáfora para esse lugar interno onde guardamos pensamentos, sentimentos e memórias que temos dificuldade de acessar, enfrentar e por vezes só vivenciamos em sonho.
A relação com a ideia de sonho é cara ao trabalho. O conjunto de instalações se apresenta como uma espécie de paisagem onírica que toma conta do porão, acrescentando a ele cores e inserindo elementos tais como pedras, areia, palha e penas tingidas. No cofre, local normalmente protegido por um segredo, de acesso ainda mais restrito que o porão, está a única instalação com cores naturais. Um pequeno jardim a germinar, onde estão plantadas sementes de espécies que crescem espontaneamente em frestas de calçadas, ruas e muros, coletadas na paisagem que circunda o Paço Municipal.
São tempos duros os que vivemos. De uma realidade tornada pesadelo – social, política, ambiental e humanitariamente falando. Talvez em resistência, Ocupação Cromática nos convida a uma experiência do sonho, ora estranha, ora encantadora. Uma paisagem inventada. Imaginada, mais do que projetada, como revelam os desenhos que abrem a exposição e que nos aproximam do processo de trabalho do artista. Um emaranhado de instalações que nos convoca a imaginar a vida enquanto potência poética, reafirmando o lugar necessário da arte para, se não transformar, ao menos desacomodar nossos modos de ver o mundo, de nos relacionar com os lugares que habitamos e com as paisagens culturais que nos rodeiam e que também colaboramos para construir.

 

Fernanda Albuquerque (curadora da exposição)

 EXPOSIÇÕES ANTERIORES 

 

Pinacoteca Aldo Locatelli

Paço dos Açorianos

Praça Montevidéu, 10

Centro Histórico - Porto Alegre

fone: [55] (51) 3289-3735 

Segunda à sexta-feira

9h às 12h • 13h30 às 17h

 

AÇÕES EDUCATIVAS

AGENDAMENTOS

Visitas guiadas às exposições da Pinacoteca Aldo Locatelli podem ser agendadas:
acervo@smc.prefpoa.com.br

[55] (51) 3289-3735

VISITA GUIADA

Visita de uma turma do Projovem Adolescente / FASC em 21 de março de 2018.

 

Veja o vídeo >

 
 

HISTÓRIA DA

COLEÇÃO

Conheça a história da Pinacoteca Aldo Locatelli.

HISTÓRIA DO PAÇO

Conheça a história do Paço

 
 

A Associação das Pinacotecas de Porto Alegre – AAPIPA-  foi fundada em 2016 por um pequeno número de cidadãos  dispostos a uma tomada de ação efetiva em prol do desenvolvimento e difusão do circuito das artes na cidade de Porto Alegre. Seu engajamento se materializa no apoio as ações  e projetos das Pinacotecas Ruben Berta e Aldo Locatelli da Secretaria da Cultura da capital gaúcha e da Pinacoteca Fundacred em vias de passar á administração municipal por comodato. A AAPIPA estimula por meio do trabalho de seus associados o exercício do voluntariado, e na medida que propõe e co-executa projetos e eventos de interesse das pinacotecas e da população cultiva o desenvolvimento do empreendedorismo cultural.

 

COMO

PARTICIPAR

DIRETORIA

PRESIDENTE

Heitor Luis Beninca Bergamini

VICE-PRESIDENTE

Sandra Marisa Esteve Echeverria